Benefícios SociaisBolsa Família

Lula confirmou hoje (28/06) o pagamento do 13º do Bolsa Família para 2024?

Lula / Bolsa Família
Lula / Bolsa Família – Imagem: Reprodução.

O Programa Bolsa Família é um pilar fundamental na rede de proteção social do Brasil, proporcionando uma renda básica a milhões de famílias em situação de vulnerabilidade.

Com as recentes reformulações e adições de novos benefícios, é essencial que os beneficiários estejam a par das regras vigentes para 2024.

Uma das principais questões que gera muitas dúvidas é o pagamento do 13º salário do Bolsa Família – será que ele será retomado neste ano?

O valor mínimo e os novos benefícios do Bolsa Família

Atualmente, o valor mínimo do Bolsa Família é de R$ 600 por família, com adicionais de R$ 150 por criança de até seis anos e R$ 50 por integrante de 7 a 18 anos, gestantes e lactantes.

Além disso, o programa passou a incluir novos benefícios, como o Benefício Primeira Infância, que contempla crianças de zero a seis anos, e o Benefício Variável Familiar, que assegura R$ 50 adicionais para dependentes de 7 a 18 anos e gestantes.

Recentemente, foi incorporado também o pagamento adicional de R$ 50 para nutrizes.

O histórico do 13º salário do Bolsa Família

Uma das principais dúvidas dos beneficiários do Bolsa Família diz respeito ao pagamento do 13º salário. Esse complemento foi instituído apenas uma vez, em 2019, por meio de uma medida provisória que não foi renovada nos anos seguintes. Portanto, o 13º salário não foi pago em 2020, 2021 ou 2022.

Muitas informações equivocadas circulam nas redes sociais, alegando que o atual governo teria extinguido o 13º salário do Bolsa Família. Todavia, é importante esclarecer que o pagamento desse complemento nunca foi uma regra permanente do programa, tendo sido implementado apenas excepcionalmente em 2019.

De acordo com as informações mais recentes, em 2024, o governo federal não prevê o pagamento do 13º salário para os beneficiários do Bolsa Família. A prioridade é manter o valor mínimo de R$ 600 por família, além dos adicionais já mencionados, visando garantir a sustentabilidade e a continuidade do programa.

Entendendo a lógica por trás da decisão

Essa decisão do governo federal de não pagar o 13º salário do Bolsa Família em 2024 pode ser compreendida à luz de alguns fatores importantes.

Primeiro, é necessário considerar a sustentabilidade financeira do programa a longo prazo, garantindo que o valor mínimo de R$ 600 por família e os demais benefícios sejam mantidos de forma contínua.

No mais, o governo pode ter priorizado a expansão de outros programas sociais e a implementação de novas iniciativas de proteção social, em detrimento do pagamento do 13º salário.

Calendário de pagamentos do Bolsa Família de Julho

O calendário de pagamentos do Bolsa Família de julho é cuidadosamente planejado para garantir a distribuição eficiente dos benefícios.

Cada final de Número de Identificação Social (NIS) tem uma data específica para receber o benefício, começando em 18 de julho para os NIS terminados em 1 e terminando em 31 de julho para os NIS terminados em 0.

Essa organização detalhada evita congestionamentos nos pontos de pagamento e facilita o acesso ao benefício para os beneficiários do programa.

Valores dos benefícios do Bolsa Família de Julho

Além do valor base de R$ 600 por família, o Programa Bolsa Família de julho disponibiliza benefícios adicionais para auxiliar com despesas relacionadas à maternidade e ao desenvolvimento infantil.

Esses benefícios extras somam-se ao valor base, elevando o total de auxílio do Bolsa Família de julho para R$ 850 por família.

Benefícios adicionais do Programa

Além do valor base de R$ 600 por família, o Programa Bolsa Família de julho oferece benefícios extras, como:

  • R$ 150 adicionais por cada criança até 6 anos;
  • R$ 50 adicionais para gestantes e crianças de 7 a 17 anos;
  • R$ 50 por bebê até seis meses.

Esses benefícios adicionais elevam o total de auxílio do Programa Bolsa Família de julho para até R$ 850 por família, proporcionando um suporte financeiro significativo para aqueles em situação de vulnerabilidade.

Carolina Ramos Farias

Redatora do Revista dos Benefícios, é Graduada pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Especialista em redação sobre Direitos do Trabalhador e Benefícios Sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *