Direitos do TrabalhadorEconomiaGeralINSS

INSS convoca cidadãos para saque de R$ 1.412,00, R$1.600, R$1.800 a R$ 7.786,02 em poucos dias

INSS
INSS- Imagem: Reprodução.

Junho é um mês crucial para milhões de brasileiros que dependem dos benefícios fornecidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Com o calendário de pagamentos já definido, é essencial que todos os segurados estejam cientes das datas, regras e métodos de consulta para garantir o recebimento pontual de seus benefícios.

Quem recebe primeiro os Pagamentos do INSS em Junho?

O INSS priorizará o pagamento daqueles que recebem até um salário mínimo. Essa faixa de beneficiários representa uma parcela significativa dos segurados, e o objetivo é garantir que esse público mais vulnerável tenha acesso aos seus recursos o mais rápido possível. O cronograma de pagamentos para esse grupo será o seguinte:

  • Final 1: 24 de junho
  • Final 2: 25 de junho
  • Final 3: 26 de junho
  • Final 4: 27 de junho
  • Final 5: 28 de junho
  • Final 6: 1 de julho
  • Final 7: 2 de julho
  • Final 8: 3 de julho
  • Final 9: 4 de julho
  • Final 0: 5 de julho

Para aqueles que recebem acima de um salário mínimo, o calendário de pagamentos também já foi divulgado:

  • Finais 1 e 6: 1 de julho
  • Finais 2 e 7: 2 de julho
  • Finais 3 e 8: 3 de julho
  • Finais 4 e 9: 4 de julho
  • Finais 5 e 0: 5 de julho

Essa organização tem como objetivo facilitar o acesso aos benefícios, evitando aglomerações e garantindo que todos recebam seus pagamentos de maneira eficiente.

Antecipação de Pagamentos do INSS em Junho

Nos últimos dias, surgiram informações sobre a possibilidade de antecipação dos pagamentos do INSS em junho. No entanto, essa medida não será aplicada de forma generalizada.

Segundo o próprio instituto, apenas os moradores do Rio Grande do Sul terão acesso aos seus benefícios antes da data prevista, podendo sacar a partir do primeiro dia de depósito, em 24 de junho.

Essa iniciativa visa atender a necessidades específicas da região, proporcionando um alívio financeiro mais rápido para os segurados locais. Para os demais estados, o calendário padrão será mantido, seguindo as datas divulgadas anteriormente.

Entendendo o Número do Benefício (NB) do INSS

O Número do Benefício (NB) é um código único atribuído a cada tipo de benefício previdenciário que o segurado possui. Esse número é informado na carta de concessão do benefício e é composto por 10 dígitos.

Benefícios Cobertos pelo NB

O NB é utilizado para identificar diversos tipos de benefícios concedidos pelo INSS, como:

  • Aposentadoria
  • Pensão
  • Auxílio-doença
  • Auxílio-acidente
  • Salário-maternidade
  • Auxílio-reclusão

Ter o NB em mãos é fundamental para que o segurado possa consultar informações sobre seus benefícios, acompanhar o pagamento, agendar perícias médicas, solicitar empréstimos consignados, entre outras ações.

Consultando o Número do Benefício do INSS pelo CPF

Quando não se tem o NB disponível, é possível consultar o número do benefício do INSS utilizando apenas o CPF. Existem quatro métodos principais para realizar essa consulta:

1. Através do Site do Meu INSS

O Meu INSS é o portal digital que reúne diversos serviços do Instituto Nacional do Seguro Social. Para consultar o número do benefício por meio desse site, siga estes passos:

  1. Acesse o site do Meu INSS (meu.inss.gov.br) e clique em “Entrar com gov.br”.
  2. Informe seu CPF e a senha da sua conta gov.br.
  3. Na tela inicial, você encontrará o nome do seu benefício e o respectivo número.

2. Pelo Aplicativo Meu INSS

O Meu INSS também possui um aplicativo disponível para dispositivos Android e iOS. Siga esses passos para consultar o número do benefício pelo app:

  1. Baixe e instale o aplicativo Meu INSS em seu smartphone.
  2. Faça login com seu CPF e senha da conta gov.br.
  3. Na tela inicial, você verá o nome do seu benefício e o número correspondente.

Abquesia Farias

Especialista em Redação por mais de 5 anos, escreve textos para o Revista dos Benefícios com temas de Benefícios Sociais, Direitos do Trabalhador e Economia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *